Chega de errar

Não é de hoje que o comportamento e as entrevistas dos jogadores, dos dirigentes e de integrantes da comissão técnica do Flamengo irritam os torcedores. Basta! Não dá mais para errar tanto como aconteceu até agora em 2017. Eliminação vexatória na Libertadores, contratações caríssimas e sem retorno, campanha medíocre no Brasileiro, decisões equivocadas na hora de poupar jogadores…

O Flamengo chegou a um momento crucial no ano. A pouco mais de um mês do fim da temporada, não há no elenco um reserva para Guerrero. E o peruano desfalcará o time em pelo menos quatro jogos duríssimos na competição que dirigentes e treinadores insistiram em desprezar e que pode acabar sendo decisiva para se chegar à Libertadores em 2018.

Com o Peru disputando a repescagem nas Eliminatórias para a Copa, Guerrero não enfrentará Grêmio, Cruzeiro, Palmeiras e Coritiba. Agora, alguém precisa avisar ao atacante e ao técnico Reinaldo Rueda que a hora é de esforço. Tudo bem que o jogador sonha em disputar um Mundial. Mas é o Flamengo quem lhe paga cerca de R$ 1 milhão por mês. Logo, ele precisa estar em campo sempre que for possível.

A decisão de deixá-lo no banco contra o Fluminense foi surpreendente, equivocada e, por que não dizer, burra. Se podia ficar no banco, porque Guerrero não começou jogando? Claro que a explicação será o desgaste. Ora, não era melhor colocar alguém que impõe respeito ao adversário logo de cara e depois, se fosse o caso, tirá-lo do jogo? O mesmo aconteceu com Trauco, é bom lembrar.

A cada dia que passa, a impressão que se tem é que os aparelhados e modernos departamentos médicos dos clubes têm a missão mais da preservar jogadores do que prepará-los para atuar. Qualquer mínimo problema é suficiente para tirar alguém de uma partida importante.

O momento é decisivo. Ou o Flamengo planeja bem a utilização de Guerrero até o final da temporada ou poderá pagar um mico histórico de sequer estar entre os sete primeiros do Brasileiro, mesmo tendo um elenco milionário. Se isso acontecer, será o maior recibo de incompetência já visto no clube.

Deixe uma resposta