Guerrero vai apelar ao tribunal da Fifa para anular suspensão

Paolo Guerrero, suspenso por 30 dias pela Fifa após doping para a benzoilecgonina, um metabólito da coca e da cocaína, vai recorrer da punição. Sua equipe de advogados já havia solicitado a anulação da suspensão, teve pedido negado e estudava se iria ou não recorrer ao Tribunal de Apelação da Fifa.

Ele perdeu o primeiro jogo da seleção do Peru contra a Nova Zelândia, no sábado, pela repescagem das Eliminatórias da Copa. O jogo terminou em 1 a 1, e o segundo confronto será na quarta-feira, em Lima. Além disso, Guerrero tem a semifinal da Sul-Americana, com o Flamengo, contra o Junior de Barranquilla, da Colômbia, nos dias 23 e 30, pela frente.

A contraprova do exame do jogador, aberta na última quinta-feira e cujo resultado foi conhecido na sexta-feira, deu positivo para o estimulante, configurando o doping positivo.

O bioquímico L. C. Cameron, que faz parte da equipe de defesa do jogador e é o coordenador do Laboratório de Bioquímica de Proteínas da UNIRIO, foi quem acompanhou a abertura da amostra B, em Colônia, na Alemanha. Guerrero fez o exame antidoping após o jogo do Peru contra a Argentina pelas Eliminatórias, em 5 de outubro.

O advogado do atleta, Bichara Neto, informou que, no detalhamento da amostra A, não apareceram outros metabólitos da coca (resultado de seguidas transformações da coca ou cocaína no organismo; no metabolismo) e que a concentração de benzoilecgonina é muito baixa.

A defesa irá se basear nesses dados para tentar diminuir a pena de quatro anos de suspensão, prevista no código antidopagem da Agência Mundial Antidoping (Wada).

Para isso, terá de indicar, e provar, como o metabólito da coca e da cocaína apareceu no organismo do atleta. O objetivo é provar que a substância foi ingerida sem a intenção e o conhecimento do jogador. Assim, a pena pode cair para dois anos.

A defesa do atleta terá de ser enviada à Fifa até o dia 26. O julgamento será no dia 30, em Zurique, na Suíça.

Nutricionista do Peru teria admitido que receitou chá a Guerrero e reforça tese de defesa contra doping

Apesar da contraprova positiva e da suspensão mantida pela Fifa, Paolo Guerrero tem um trunfo para provar inocência e possível contaminação do suposto doping de um metabólito da coca e da cocaína. Segundo a reportagem apurou, uma nutricionista da seleção peruana teria admitido que receitou um chá para o atacante antes do jogo com a Argentina, em que ele foi testado positivo para um estimulante.

O chá para a gripe seria alvo de contaminação cruzada, que teria gerado o metabólito benzoilecgonina na urina do jogador. Procurada, a defesa de Guerrero não quis comentar detalhes da informação.

 Com o resultado analítico da amostra A, de antes da contraprova, também ficou indicada a baixa quantidade do metabólito, o que prova que o jogador não consumiu cocaína e que o chá ingerido poderia estar contaminado. Na semana passada, Bichara Neto, advogado do atleta, disse que “a concentração de benzoilecgonina é muito baixa, compatível com a tese de contaminação cruzada”. Ele não quis informar o valor, mas afirmou que esse foi o único metabólito da coca e cocaína encontrado na análise.

A punição inicial para casos de doping como esse é de quatro anos, segundo o código antidopagem da Agência Mundial Antidoping (Wada). Se comprovada a idoneidade do atleta, a pena cai para dois anos. Guerrero aguardava ainda a definição sobre a anulação de sua suspensão preventiva de 30 dias para que pudesse atuar pelo Flamengo pela Sul-americana e pela seleção do Peru nas Eliminatórias. A Fifa, no entanto, decidiu manter a suspensão. Hoje, a defesa apelou da decisão.

No dia 26, Guerrero e sua equipe de advogados terão de entregar à Fifa a defesa escrita. E o julgamento será no dia 30, em Zurique, na Suíça.

Jogador volta a treinar no Flamengo

Paolo Guerrero voltou aos treinos no Flamengo enquanto aguarda o recurso movido na FIFA sobre a suspensão preventiva, que o tirou de ação depois da suspeita de doping.

O centroavante fez atividades na manhã desta segunda-feira no Ninho do Urubu, em horário alternado ao do elenco.

A participação nos jogos no fim da temporada por enquanto está descartada. Ao menos até a resposta do tribunal de apelação da entidade máxima do futebol.

A defesa tem um trunfo para o julgamento marcado para o dia 30 de novembro: uma nutricionista da seleção peruana teria confessado que receitou um chá para Guerrero antes do jogo entre Peru e Argentina, em outubro.

O chá teria sido contaminado com folhas de coca, que dariam origem ao metabólito benza encontrado na urina do atacante. Os advogados não quiseram comentar o detalhe da defesa que será apresentada até o próximo dia 26.

Fontes: O Globo / Jogo Extra

Deixe uma resposta