Uma carreira em jogo

O Flamengo chegou a um ponto tal de erros cometidos ao longo da temporada que a partida desta noite, contra o Junior Barranquilla, no Colômbia, representa muito mais do que apenas uma vaga na final da Sul-Americana. É a possibilidade de um alívio ainda que momentâneo na desconfiança dos torcedores e, mais ainda, pode representar o “fim” da carreira de um jogador ainda jovem.

Com apenas 28 anos – pouco principalmente para um goleiro -, Muralha pode ter qualquer possibilidade de seguir sua trajetória profissional sepultada logo mais. Para ficar bem claro. A análise não significa dizer que o jogador não atuará mais profissionalmente. Mas vamos pensar bem na situação a que ele chegou.

Muralha foi contratado como titular absoluto para o gol, a ponto de os dirigentes terem colocado Paulo Victor para fora do clube. Muralha, então, ficou sem um reserva de peso, teve algumas boas atuações, chegou à Seleção Brasileira (o que sinceramente quer dizer muito pouco atualmente), mas começou a falhar. Sem opção, o Flamengo foi buscar Diego Alves na Espanha, pagando inacreditáveis R$ 700 mil mensais de salário.

Como o planejamento foi mal feito, Diego não atuou na Copa do Brasil e na Primeira Liga, competições nas quais Muralha foi mal e passou a ser perseguido pela torcida. Com a lesão do camisa 1, Muralha voltou a ser titular, a falhar e caiu em desgraça.
Mas agora é um momento crucial. Existe um clamor pela escalação de César, que não atua há dois anos. Recuperado de uma lesão na mão, Thiago também viajou para a Colômbia e ninguém mais se lembra que ele falhou na final da Copa do Brasil. Diante do quadro, o técnico Reinaldo Rueda tem apenas duas opções.

A primeira é manter Muralha como titular (algo bem difícil de acontecer). Uma decisão de alto risco devido ao evidente abalo emocional do jogador. Mas, se não for para começar jogando, é evidente que ele não pode nem sequer ficar no banco. Alguém consegue imaginar se quem estiver no gol se machucar e Muralha precisar entrar? Alguém acha que ele terá condição psicológica de entrar?

Deixar Muralha até mesmo fora do banco em um momento decisivo e depois de duas falhas gritantes dele contra o Santos seria a sentença final da passagem do jogador pelo Flamengo. E aí não resta dúvida de que Muralha jamais conseguiria seguir sua carreira em clubes de ponta. Ou Muralha joga hoje e se sai bem, ou sua carreira estará comprometida para sempre…

Deixe uma resposta