O Flamengo ou o futuro?

Negro, rico, famoso ainda jovem, bom de bola, jogador do Flamengo… Vinicius Júnior é tudo o que a imoral sociedade brasileira repudia. Vítima de racismo e de críticas sem fim a cada erro que comete, o rubro-negro voltou ao centro das atenções com a bela atuação e os gols contra o Emelec, pela Libertadores.

Sem conhecê-lo de perto, o que torna o julgamento perigoso, a impressão de Vinicius Júnior nem sempre é das melhores. Sobrancelha desenhada, brincando ou levando na brincadeira qualquer tipo de situação, o atacante nem sempre passa a imagem de que leva a sério a carreira. Mas como julgar as atitudes de um garoto de 17 anos sem acreditar que os deslizes fazem parte da imaturidade?

Sim, o fato de ser rico e famoso não confere a Vinicius Júnior experiência e, principalmente, discernimento para saber exatamente como e a melhor forma de agir. Por exemplo: o tal chororô contra o Botafogo. É claro foi uma atitude infeliz, ainda mais se levarmos em conta o mundo violento em que vivemos, no qual qualquer ato é um incentivo extra para o vandalismo. Mas por que crucificá-lo tão incisivamente, a ponto de decretarem que seu futuro será um desastre?

Vinícius Júnior tem defeitos que podem ser corrigidos. E a possibilidade de um futuro brilhante deveria ser levado em conta até para uma difícil decisão: entregá-lo logo ao Real Madrid. Lá, o atacante seria forçado a amadurecer mais rápido, deixaria as bobeiras juvenis de lado e, principalmente, teria exemplos melhores ao redor. Ou alguém duvida que o ganho seria absurdo treinando ao lado de Cristiano Ronaldo, Kroos, Bale, Sergio Ramos e cia? (muito melhor do que aprimorar fundamentos com Jonas, Dourado, etc né?)

No Flamengo, Vinícius Júnior ainda será o centro das atenções algumas vezes. Seu talento é infinitamente superior ao de alguns companheiros de time. Mas terá que conviver com a teimosia dos dirigentes e do treinador, que não tem coragem de bancar alguém tão jovem entre os titulares, barrando medalhões inoperantes.

Enquanto o dia de partir para o Real não chega, saudemos Vinicius Júnior. Um talento puro que, entre erros e acertos, quer apenas ser feliz fazendo o que mais sabe…

Deixe uma resposta